A Igreja Romana Aceita e Promove a Fé Islâmica

Querido Amigo,

Durante a maior parte de seu pontificado, o Papa Francisco tem promovido o Islamismo. Ao invés de alertar as pessoas dos ataques dos muçulmanos em todo o mundo, Francisco não endereçou a perseguição islamica de europeus, e pessoas do Oriente Médio e da África. Essa aproximação do papa ao Islamismo é a aplicação dos ensinamentos católicos romanos do Concílio Vaticano II.  Tal radicalismo católico romano é importante, e nosso artigo abaixo detalha o que está acontecendo. Por favor, leia o artigo cuidadosamente e repasse para sua família e membros de sua igreja, pois a situação é muito crítica.

Obrigado.

A Igreja Romana Aceita e Promove a Fé Islâmica

By Richard Bennett

Enquanto um número enorme de migrantes islâmicos do Oriente Médio continuam a entrar em massa na Europa, existe uma grande preocupação entre as pessoas do Ocidente. No entanto, apesar de todas as circunstâncias alarmantes, Papa Francisco continua a promover o Islamismo. E ao invés de alertar as pessoas sobre os perigos que eles enfrentam com essa investida de migrantes islâmicos de todo o mundo, Francisco nunca endereçou a perseguição de cristãos do Oriente Médio e da África, e até mesmo de cristãos europeus. De fato, essa aproximação de Papa Francisco ao Islamismo é apenas uma intensificação da aplicação dos ensinamentos do Concílio Vaticano II.

A igreja romana tem consistentemente encorajado o influxo massivo de muçulmanos para a Europa, e até mesmo para os Estados Unidos. Tal migração é a causa principal dos vários ataques que têm acontecido, como por exemplo o ataque em Paris, no dia 13 de Novembro de 2015, onde pelo menos 128 pessoas foram mortas,[1] e pelo qual o ISIS se responsabilizou.[2]  Incidentes de terror islâmico como este ataque de Paris ou o ataque em São Bernardino, nos EUA, são movidos por uma ideologia totalitária infame.  O Islamismo tem sua própria dinâmica, a qual não se baseia em nenhuma reinvidicação lógica ou racional. Suas raizes ideológicas totalitárias se baseiam no Alcorão. Não existe qualquer sombra de dúvida de que o papa e seus conselheiros sabem disso.

A atual exportação de islamistas para a Europa foi planejada pelo menos desde 2011, como o “Projeto Clarion”, que contesta o extremismo islâmico, declarou:

“O líder do ISIS, Abu Bakr al-Baghdadi declarou, ‘alto e claramente que se o ISIS não pode      derrotar o Ocidente por meios militares, eles o invadirão com jihadistas…a situação atual       indica, sem sombra de dúvidas, que al-Baghdadi está em ascenção. O Estado Islâmico talvez       tenha ocupado grande parte das terras no Iraque e na Síria nos últimos quinze meses, mas          essa vitória parece insignificante em comparação com o que está fazendo agora…Ele      estendeu sua mão para tomar a jóia mais preciosa da humanidade: a civilização européia.

Entre as centenas de milhares de migrantes da Síria, Iraque, Afeganistão, Líbia, e     outras partes do califado do Estado Islâmico que desembarcaram na Europa, estão infiltrados grande número de jihadistas – e outros milhões estão em marcha através da África e da Ásia, em direção à Europa…[existe evidência de que] al-Baghdadi recebeu o suporte financeiro de estados árabesricos, principalmente da Arábia Saudita e do Catar…E enquanto os líderes europeus falam e falam, seus países são gradualmente inundados por migrantes e jihadistas, exatamente comoplanejado pelo califa moderno.’”[3]

Os Eventos do Outono de 2015

Na Alemanha, que tem de 3 a 3,5 milhões de muçulmanos, um cardeal romano falou do Alcorão como parte da herança histórica da Europa e do Oriente Próximo.

“O cardeal foi o cardeal e bispo de Mainz, o qual enfatizou, diante de 250 ouvintes, em um centro de eventos da universidade, que o diálogo inter-religioso tem uma longa história e começou no Vaticano II. Em seguida, o Cardeal Lehmann declarou que a Pesquisa-Corão mostra formas de lê-lo como um texto da antiguidade, e como tal, este não parece estranho, mas mostra a proximidade deste com o Cristianismo e o Judaísmo. O Corão é parte da herança histórica da Europa e do Oriente Próximo.” diz o cardeal.”[4]

 

Tal comprometimento que está acontecendo na Alemanha é espantoso. Não importa a verdade de que o Corão nunca foi parte da “herança histórica da Europa”, como o próprio cardeal sabe; mas ao invés disso, o plano católico romano é de novo o de fortalecer sua influência por todo o mundo!

Outra tática, o apoio tanto para imigração legal como ilegal tem sido parte da política do papado. Assim, no dia 16 de Setembro de 2015, o Papa Francisco se dirigiu, em espanhol, a imigrantes legais e ilegais no Salão da Independência, na Filadélfia, dizendo:

“Os Quakers que fundaram a Filadélfia foram inspirados por um profundo sentimento evangélico da dignidade de cada indivíduo e pelo ideal de uma comunidade unida pelo amor da irmandade.” Esta convicção os levou a fundar uma colônia que seria o paraíso da liberdade religiosa e da tolerância. Aquele sentimento de preocupação fraternal pela dignidade de todos, especialmentedo fraco e vulnerável, se tornou uma parte essencial do espírito americano.”[5]

Consequentemente, com essa mentalidade, é aparente que o papa e o catolicismo romano estão promovendo a migração, tanto legal como ilegal, de povos islâmicos como refugiados para as nações ocidentais. Dessa forma, está escrito em um web site católico romano:

“Sírios deixaram suas casas, e quatro milhões fugiram de seu país em conseqüência da guerra civil e da ascenção do ISIS dentro de suas fronteiras…Enquanto a maioria desses refugiados fugiu para países vizinhos, alguns procuraram asilo na Europa. O Papa Francisco e os bispos católicos   apelaram aos EUA e a outros governos internacionais para apoiar os que buscam asilo.”[6]

Outro web site católico romano declara:

“O Papa Francisco e outros bispos católicos apelaram aos governos dos Estados Unidos e da comunidade internacional para dar apoio tanto a refugiados sírios fugindo da violência, como a países que têm estado à frente desse esforço humanitário.”[7]

Contudo, cinco dos países islâmicos mais ricos não receberam refugiados sírios, argumentando que se o fizessem estariam abrindo suas portas para o risco do terrorismo. Embora os países ricos do petróleo tenham doado ajuda financeira, a Gran Bretanha doou mais que a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Catar juntos.[8]  Por outro lado, existe evidência de que al-Baghdadi, o líder do ISIS, tenha sido parcialmente financiado pela Arábia Saudita e pelo Catar, juntamente com outras três das nações árabes mais ricas. Sem dúvida alguma, a igreja católica romana está rejeitando o raciocínio analítico para que possa apoiar ambos os lados do conflito, de forma que quando houver uma resolução ela esteja no lado vencedor.

A Igreja Romana Promove o Islamismo em Suas Escolas

Os bispos católicos da Inglaterra e do País de Gales querem que salas de oração muçulmanos e instalações para rituais de limpeza pre-oração sejam disponibilizadas em todas as escolas católicas romanas. Muçulmanos dizem que as escolas católicas teriam também que instalar bidês, spas para os pés, e mangueiras para facilitar tais rituais de limpeza extensiva. As recomendações foram aprovadas por Vincent Nichols, o arcebispo de Birmingham, e o favorito para suceder o Cardeal Cormac Murphy-O’Connor como o primaz católico.

Escolas Católicas Oferecem “Lugar Sagrado” Para Orações Islâmicas[9]

A gente se choca ao saber que uma escola religiosa católica ofereça “espaços sagrados” de qualquer tipo para estudantes islâmicos. No entanto, tais instalações são permitidas em escolas católicas romanas, não apenas na Inglaterra e no País de Gales, mas também nos EUA. Por exemplo, John Birney, presidente da escola secundária “Brother Rice High School”, em Bloomfield, Michigan, decidiu permitir uma “sala de oração não cristã dentro da escola para muçulmanos e outros estudantes não cristãos”.  Birney encorajou as pessoas a perguntar se as salas de oração “comprometeria sua fé e identidade, ou se de fato seria consistente com o respeito que temos.”[10]

Toda essa assistência ao Islamismo pela imigração e pelas escolas católicas romanas está acontecendo sob a jurisdição de Papa Francisco.  O que ele fez perfeitamente claro foi, primeiro, que ele não se preocupa em proteger católicos fiéis do ataque muçulmano, que, se bem sucedido, resultará em católicos e ocidentais tendo que viver sob Sharia law. Segundo, como o principal líder religioso ocidental, ele está encorajando líderes religiosos islâmicos a persistir em seu ataque, primeiramente contra o ocidente, e especificamene contra o Cristianismo, mas também contra o restante do mundo.  Terceiro, está claro que ele está sendo tão amigável para com o Islamismo por interesse próprio, o de construir seu império, e não tem nenhuma compulsão de ser honesto ou cristão em suas relações com ele.  O papa, por exemplo, declarou que:

“Os escritos sagrados do islamismo têm retido alguns ensinamentos cristãos; Jesus e Maria recebem profunda veneração e é admirável ver como muçulmanos, tanto jovens quanto velhos, homens e mulheres, tiram tempo diário para oração, e participam fielmente dos cultos religiosos. Muitos deles têm uma forte convicção de que suas vidas, em sua totalidade, é de Deus e para Deus. Eles também reconhecem a necessidade de responder a Deus com um compromisso ético e com misericórdia para com aqueles em maior necessidade.”[11]

A declaração do papa é uma adulação enganadora porque ela tem que se reconciliar com a declaração oficial da Igreja Romana de que “o plano de salvação” inclui muçulmanos:

Relações da Igreja com os muçulmanos. “O desígnio de salvação envolve igualmente os que reconhecem o Criador, entre os quais, em primeiro lugar, os muçulmanos que declarando guardar a fé de Abraão, conosco adoram o Deus único e misericordioso que há de julgar os homens no último dia’”[12]

Francisco sabe perfeitamente bem que o Alá islâmico não é o Deus da Bíblia. Dessa forma, ao representar a Igreja Romana, tem aceito o Islamismo e seus povos.  O fato de que a Igreja Romana e o Alá do Islamismo concordem no “plano de salvação” demonstra aos cristãos bíblicos verdadeiros de que isto é contra a fé bíblica.  O mandamento bíblico de não adorar a nenhum outro deus foi quebrado pela Igreja Católica Romana ao creditar aos seguidores do Islamismo a fé de Abraão.

O Islamismo Rejeita a Trindade, a Divindade de Cristo, e Seu Sacrifício na Cruz

Por causa do que está acontecendo, é necessário que estudemos os esinamentos oficiais do Islamismo.  Os cristãos crêem em um Deus, o qual existe em três Pessoas. O Islamismo rejeita o conceito da Trindade como blasfêmia.  O Alcorão declara: São blasfemos aqueles que dizem: Deus é um da Trindade!, portanto não existe divindade alguma além do Deus Único.  Se não desistirem de tudo quanto afirmam, um doloroso castigo açoitará os incrédulos entre eles” (Surata 5:73).[13]

A Bíblia proclama a morte sacrificial de Cristo na cruz no lugar do crente:  “em quem temos aredenção pelo Seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da Sua graça.”[14]  O Islamismo apaixonadamente rejeita a crucificação de Jesus Cristo, como está escrito no Alcorão:  “E por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, senão que isso lhes foi simulado.  E aqueles que discordam, quanto a isso, estão na dúvida, porque não possuem conhecimento algum, abstraindo-se tão-somente em conjecturas; porém, o fato é que não o mataram. ” (Surata 4.157)

A Bíblia proclama Jesus Cristo como divino, sendo a luz da glória divina, e a imagem expressa de Deus.  No Alcorão, Jesus Cristo é rebaixado como sendo apenas um apóstolo de Alá. Assim, o Alcorão declara:  “Ó adeptos do Livro, não exagereis em vossa religião e não digais de Alá senão a verdade.  O Messias, Jesus, filho de Maria, foi tão-somente um mensageiro de Alá …”(Surata 4.171).  Jesus Cristo declarou: “Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, EU SOU.[15]  “Eu e o Pai somos um.[16]  Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados; porque, se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados.[17]  Uma religião que rejeita a divindade de Cristo não pode ser da verdade. É  detestável que o Papa Francisco e sua igreja romana ao aceitar os ensinamentos do Alcorão estão implicitamente denegrindo o Senhor Jesus Cristo.

O Evangelho e a Filosofia Religiosa do Alcorão

Na Bíblia, o Evangelho é como o Apóstolo João declarou: “E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e nEle não há trevas nenhumas.[18]  “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, como o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que tu enviaste[19]  O “propósito” do Deus das Escrituras é claramente visto no Evangelho de João: “Estas coisas vos escrevo, a vós que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna.[20]   Isto é completamente diferente do deus do Islã que ordena luta, guerra e punição – por amputamento, crucificação e assassinato.  A seguir, temos apenas um example do conceito primário de luta por Alá, que o Alcorão requer:

“Matai-os onde quer se os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram, porque a perseguição é mais grave do que o homicídio. Não os combatais nas cercanias da Mesquita Sagrada, a menos que vos ataquem. Mas, se ali vos combaterem, matai-os. Tal será o castigo dos incrédulos” (Surata 2.191).

“…Que combatam pela causa de Alá aqueles dispostos a sacrificar a vida terrena pela futura, porque a quem combater pela causa de Alá, quer sucumba, quer vença, concederemos magnífica recompensa” (Surata 4.74).

O mandamento do Senhor, no entanto, é tão diferente como a luz é da escuridão, poisEle diz àqueles que são verdadeiramente Seus: “Amai, porém a vossos inimigos, fazei bem e emprestai, nunca desanimado; e grande será a vossa recompensa, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus. Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.”[21]  Embora muitos muçulmanos talvez deplorem as atrocidades cometidas em nome do Islamismo, não se pode negar que essas atrocidades são encorajadas e justificadas por seus ensinamentos.  Mesmo a forma mais moderada de Islamismo é incompatível com a verdade bíblica.

A primeira política exterior de Papa Francisco, endereçada em Março de 2013, fez das relações entre muçulmanos e católicos uma de suas maiores prioridades.  Diante de uma audiência de embaixadores de 180 países, ele explicou como queria trabalhar pela paz e construir pontes entre pessoas.  Muçulmanos e católicos, declarou, precisam intensificar seu diálogo. Isto teve repercussões positivas nos círculos muçulmano-católicos, e eruditos muçulmanos e instituições religiosas em todo o mundo deram as boas vindas à eleição de Papa Francisco.[22]  Dessa forma, católicos romanos estão em diálogo com muçulmanos.  E consequentemente, isto significa que o cego está guiando o cego à medida em que cada um tenta conquistar seus próprios objetivos.  Nenhum dos dois tem o objetivo de encontrar a verdade em um mundo caído, mas estão centralizados na construção de um império terreno no qual tenham o controle absoluto.  No entanto, eles não consideraram quem o Senhor Jesus Cristo realmente é, e o fato de que o Deus da Bíblia faz todas as coisas segundo o conselho da Sua vontade.[23]

Conclusão

A promoção do Islamismo pelo Papa Francisco e pela igreja romana é um fato consumado. Ao invés de alertar o povo sobre o assalto islâmico em todo o mundo, Francisco não endereçou o fato da perseguição de povos da Europa, do Oriente Médio e da África pelos islâmicos. Tal extremismo católico é bastante significativo.

            O testemunho da Bíblia e da história é o de que o homem, por seus próprios recursos e pesquisa, não pode entender Deus. As Escrituras declaram: “Poderás descobrir as coisas profundas de Deus, ou descobrir perfeitamente o Todo-Poderoso? Como as alturas do céu é a sua sabedoria; que poderás tu fazer? Mais profunda é ela do que o Seol; que poderás tu saber?[24]  A riqueza e a profundeza da sabedoria de Deus são além da compreensão humana.[25]  O Senhor Jesus proclamou os meios pelos quais alguém pode conhecer quem Deus é e como Ele age. Ele disse:  “Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade.[26]  A palavra escrita do Senhor Deus, a Bíblia, não apenas contém a verdade, mas é ela mesma a própria verdade.

Como descendentes de Adão, nós somos criaturas pecadoras, separados de nosso Santo Criador. Por nós mesmos, não temos como nos reconciliar com Deus.  Desde o começo, Deus deixou claro que apenas um ato de desobediência seria suficiente para produzir a morte, que significa separação dEle.  A humanidade está espiritualmente morta, separada de sua Fonte de vida – o Senhor Deus.  “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram.[27]  O Senhor Deus é todo puro e santo, e nós, como seres humanos pecadores, não podemos ter um relacionamento como Ele, uma vez que Ele não pode tolerar o pecado.  Assim, a pessoa deve morrer e enfrentar o justo julgamento de Deus.  Por nós mesmos, somos pecadores incapazes, pois “a alma que pecar, essa morrerá.[28]  Nenhuma quantidade de oração, jejum, ou boas obras pode nos proporcionar um relacionamento como o Senhor Deus, mas somente em Jesus Cristo nós podemos contemplar uma solução para nossa posição espiritual.  Como as escrituras declaram, a graça de Deus foi planejada antes de ter sido revelada:  “antes da fundação do mundo” para que fossemos aceitos no amado.[29]  O propósito e plano de Deus desde a eternidade era o de que todos as dádivas deveriam vir ao pecador em Cristo e através dEle. A graça, em seu sentido mais próprio e autêntico, é definitivamente gratuita, como as Escrituras declararam:  “sendo justificados gratuitamente pela sua graça[30]  O reino do pecado e das falsas religiões é dominado pelo reino da graça de Deus. Está escrito na Palavra de Deus que “viesse a reinar a graça[31]  A abundância da graça supera grandemente a perversidade do pecado. Uma vez que o pecador crente recebe Jesus Cristo como sua única segurança diante do Deus todo Santo, ele se encontra não apenas liberto de seus pecados, mas também feito “reinar em vida.”[32]  Aqueles que recebem a abundante graça dada por Cristo não apenas são redimidos do domínio da morte, como também vivem e reinam com Ele à medida que são santificados diariamente, através de Sua Palavra, pelo Espírito Santo e pela comunhão constante com Ele.  Estes devem viver e reinar para sempre com Cristo no mundo sem fim. Através de Jesus Cristo, a graça reina com liberdade, poder e abundância soberanas!  “Bendito seja para sempre o seu nome glorioso, e encha-se da sua glória toda a terra. Amém e amém.[33]


Berean Beacon

Website: http://helpforcatholics.org/pt-pt

Email address: lilikae@gmail.com

O autor autoriza a cópia desse artigo desde que seja feita em sua totalidade, sem alterações.

É também autorizada a publicação desse artigo em sua totalidade em web sites na Internet.


[1] http://www.cnn.com/2015/11/13/world/paris-shooting/ 12/15/2015

[2] https://www.youtube.com/watch?v=kZPZTYPpaiUhttps://www.youtube.com/watch?v=kZPZTYPpaiU

[3] www.clarionproject.org/blog/europe/al-baghdadis-trojan-horse-arrives-europe12/21/15

[4]  http://www.ruhrnachrichten.de/staedte/bochum/Bischof-in-Bochum-Kardinal-Lehmann-will-interreligioese-Gespraeche-mit-dem-Islam-foerdern;art932,2189134 Translated from the original German 12/15/2015.

[5]  http://abcnews.go.com/US/pope-francis-philadelphia-founded-haven-religious-freedomtolerance/story?id=34064928

[6] www.societyofmaryusa.org/JPIC/JPIC-Action-HumanitarianCrisisInSyria110515.html  12/15/2015

[7] www.usccb.org/about/migration-policy/syrian-refugee-crisis.cfmhttp://www.usccb.org/about/migration-policy/syrian-refugee-crisis.cfm  12/15/2015

[8] www.breitbart.com/london/2015/09/05/gulf-states-refuse-to-take-a-single-syrian-refugee-say-doing-so-exposes-them-to-risk-of-terrorism/

[9] Detalhes no site: http://www.dailymail.co.uk/news/article-1091218/Muslim-prayer-rooms-opened-Catholic-schools-say-church-leaders.html#ixzz3ubVKMF6E

[10] http://www.truthrevolt.org/news/catholic-school-offers-sacred-place-muslim-prayer

[11] http://galliawatch.blogspot.com/2013/12/pope-francis-on-islam.html   2/20/14

[12] Catecismo da Igreja Católica, Para. 841

[13] All quotes from the Koran are from this site: http://www.hti.umich.edu/k/koran/ http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/alcorao.html

[14] Efésios 1:7

[15] João 8:58

[16] João 10:30

[17] João 8:24

[18] 1 João 1:5

[19] João 17:3

[20] 1 João 5:13

[21] Lucas 6:35-36

[22] http://craigconsidinetcd.com/2014/01/24/pope-francis-christians-must-build-bridges-of-dialogue/

[23] Efésios 1:11, “aquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade”

[24] Jó 11:7-8

[25] Romanos 11:33; Isaiah 40:28; Eclesiásticos 3:11

[26] João 17:17

[27] Romanos 5:12

[28] Ezequiel 18:4

[29] Efésios 1:4, 6

[30] Romanos 3:24

[31] Romanos 5:21

[32] Romanos 5:17

[33] Salmos 72:19